28 de out de 2012

Dezesseis anos.

Já faz algum tempo que quero escrever esse texto, mas me faltam as palavras. Na verdade, quero e não quero. Quero escrever porque ela merece, e não quero porque ainda é dolorido demais organizar as idéias, tentar entender tudo o que aconteceu... ainda é dolorido demais pensar nela.

28 de Outubro. Há dezesseis anos ela nascia, e eu estava lá. Eu a vi nos seus primeiros momentos de vida. Branquinha, parecia um ratinho. Tão linda. Eu a peguei nos braços, e foi amor à primeira vista. Aliás, mentira: foi amor antes da primeira vista. Porque eu já a amava loucamente desde que soube que, finalmente, iria ganhar uma cachorrinha. E quando ela entrou na minha vida naquela madrugada de 1996, foi pra nunca mais sair. Na minha memória, no meu coração, na minha saudade, ela sempre vai estar.

Ah, ela não chegou a ver o dia de hoje: o dia em que completaria seus dezesseis idosos anos. Foi embora antes...

Não sei o que dizer. Como já mencionei, me faltam as palavras. Não sei como falar sobre esses últimos tempos difíceis, sobre a fase que começou no início do ano passado e que acabou exatamente no dia 14 de agosto de 2012. Não sei o que dizer sobre a senilidade, sobre as fraldas, sobre a alimentação complicada, sobre os tombos, sobre o frio. Sobre o fim dos passeios na rua que ela tanto amava. Sobre as opiniões sem solução dos veterinários, sobre os remédios e mais remédios que ela tomou. Não tenho palavras para falar sobre todo o estresse, sobre as broncas, sobre a falta de paciência e sobre o remorso que sempre vinha logo depois...

Também não sei bem o que falar sobre os tempos anteriores, onde tudo era tão lindo. Sobre a companhia insistente, sobre os carinhos, as incansáveis lambidas naquele ritmo frenético que só ela era capaz de alcançar. Sobre o pêlo macio, branco e fofo. Sobre o peso gorducho no meu colo, sobre o calor dela deitada do meu lado no sofá, sobre aquele narizinho gelado e úmido. Sobre chegar em casa e vê-la vir correndo, rebolando o traseiro porque o cotoquinho rabinho foi cortado muito curto para ela conseguir abaná-lo. Sobre aquela barriguinha rechonchuda, sobre as orelhinhas compridas, sobre as brincadeiras. Sobre as inúmeras vezes em que ela foi minha única companhia e consolo. Sobre o jeitinho especial que só ela tinha, que conseguiu conquistar até um e outro que nunca gostou de cães. E mais antigamente ainda, sobre os inúmeros brinquedos e bichos de pelúcia roubados do meu quarto e destruídos na maior alegria - uma filhotinha roubando os brinquedos de uma criança. Ah, sobre tantas outras coisas...

Não sei o que falar, porque ainda machuca demais lembrar dela. Minha companheirinha, que me faz uma falta tão grande ainda hoje que não me atrevo a comentar com ninguém, pois sei que não me entenderiam. Minha amiguinha tão linda, que não teve culpa de ter ficado do jeito que ficou na velhice. Que não merecia os comentários e as piadinhas, que foi maravilhosa até o fim, do jeito dela.

Me emociono aqui ao escrever esse texto, ao lembrar dela e de tudo o que aconteceu. Tinha de ser feito, diz a racionalidade. Ela estava sofrendo. Era a coisa certa a fazer, é o que todos dizem... Mas eu não sei. Era mesmo? Como pode ser certo intervir numa coisa dessas? Quem somos nós para decidir algo assim? Não sei. Não sabia na época, e não sei hoje.

Esse texto está confuso? Deve estar, porque quando é ela o assunto, não sei de muita coisa. Mas sei o seguinte: ela não merecia o final que teve...

Julie. Jujuquinha, mô neném, cachorro, cachorrinho... Tão querida! Se pudesse escolher, não jogaria nada fora, porque todos os anos de alegria que ela me trouxe compensam de longe o final tão triste.

Tem tantas coisas mais que eu gostaria de dizer sobre ela, mas enquanto os pensamentos e lembranças sobram, faltam ainda as palavras. Então, paro por aqui, dizendo apenas mais uma vez: saudades, minha amiguinha. Você foi muito especial. Obrigada por ter feito minha vida mais feliz enquanto esteve aqui... Nunca vou te esquecer.

4 comentários:

  1. Uma vez li que o único defeito dos cachorros é que eles vivem muito pouco... e concordo plenamente, infelizmente quando eles partem levam um pedaço de nós...
    Eu tive cachorros desde que me conheço por gente e eles sempre foram grandes companheiros, lembro de chorar abraçada a eles quando criança ou mesmo adolescente e eles sempre compreendiam minha dor.
    Hoje que eu tenho minha própria casa e um marido que também adora animais, nós temos 4 cachorros, e é tão legal, cada um tem uma personalidade tão distinta do outro...
    Nenhum cão é igual e tenho certeza que nenhum vai substituir a sua Julie, mas se ela estava sofrendo tenho certeza que vocês fizeram o melhor, não fique se culpando porque uma hora ia acontecer, ela já não era uma garotinha...
    E sabe qual o melhor remédio para curar a sua saudade? Uma outra cachorrinha... pode ter certeza!

    beijos e fica em paz...

    ResponderExcluir
  2. A Julie foi minha única cachorrinha, e nossa, que saudade. :/

    Eu bem que queria outro cachorro, sinto muita falta de um companheiro de quatro patas. Mas moro com meus pais, e eles não querem mais cachorros, então... :(

    Mas, um dia... quem sabe?

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Fernanda, boa noite
    Ah... não dou conta de comentar esse post não...
    Apenas sinto muito, muito mesmo...
    Quando você tiver sua casa poderá ter outro cachorrinho. Mas saiba que nunca esquecerá sua Julie...e isso é bom porque só temos saudade do amor, jamais de coisas ruins.
    Querida, fico feliz que esteja com novo blog.
    E agradeço seu comentário agora no blog. Obrigada pelas dicas, vou prestar atenção em todas.
    beijossss e boa tarde

    ResponderExcluir
  4. Cachorro é tudo de bom, não vejo a hora de ter minha casinha e os meus cachorros. Muito triste se apegar e ter que se desapegar de uma companheira fiel como essa. Quando puder tenha outra e conte a ela todas as histórias da Julie.

    Abraços

    ResponderExcluir

• Os comentários serão respondidos aqui mesmo, no blog.
• Comentários que eu considerar ofensivos não serão aceitos.
• Comentários de propaganda não serão aceitos.
• Caso queira falar comigo sobre algum assunto específico, deixe seu e-mail em um comentário (que não será publicado), que eu entro em contato.

Obrigada pela visita, e volte sempre!

Fernanda.