10 de fev de 2016

Hello from the other side... #3

Continuando a série de posts, vamos lá!

O que aprendi sobre a Tailândia até agora?

Um pôr do sol bonito em uma
cidade que vive ensolarada. #calor
- Para quem não sabe, antigamente a Tailândia se chamava Sião. Então, sabe os gatinhos siameses, que são muito populares no Brasil? Estou na terra de origem deles. ;)

- Acho que todo mundo já deve imaginar que faz calor por aqui. Tipo, bastante. E quem acompanha o blog sabe que calor não é muito a minha praia... Até que tenho me saído bem nesse quesito, surpreendentemente melhor do que eu esperava. Mas digamos apenas que desde que cheguei aqui não sei o que é vestir uma calça comprida - minha vida agora se resume a shorts e blusas sem mangas. Casaco então, ocupou espaço na mala à toa...

- Se o pessoal aí do nosso lado do mundo geralmente procura, por exemplo, o Caribe como destino de veraneio, aqui no oriente um dos destinos preferidos é a Tailândia. Por isso, preciso dizer: nunca vi tantos russos, ucranianos, chineses, sul-coreanos, indianos e árabes na minha vida! Já comentei que a cidade onde moro - Pattaya - é bastante turística, e eu não estava exagerando: a gente vê muito gringo nas ruas. Antes de vir, eu achei que iria destoar do resto das pessoas com a minha cara de ocidental, mas estava enganada, porque o que não falta aqui é ocidental. É uma verdadeira torre de Babel nas ruas, a gente escuta muitos idiomas diferentes.  Isso é uma coisa que eu só tinha vivenciado antes ao andar pelas ruas de Copacabana, mas não chega nem perto do que é Pattaya.

Coreano, japonês, chinês (mandarim?) - tudo em
uma única ida ao mercado. Fora o que a gente
também vê pelas ruas: russo, árabe...  
;)
E tem um bônus: a escrita. Já disse que a escrita tailandesa é completamente diferente da nossa, certo? Pois a dos russos também é. E a dos chineses. E a dos coreanos. E dos árabes. E etc. E como essa galera toda vem muito pra cá, a gente encontra muita coisa por aí escrita do jeito deles. Eu não entendo NADA, é claro... Mas já tô sabendo diferenciar a escrita de um monte de países da região. Será que dá pra colocar isso no meu currículo? ;)

- E por falar em turismo... Eu não fazia ideia antes de vir pra cá, mas aparentemente Pattaya é conhecida internacionalmente pelo turismo sexual. Pelo que andei lendo, parece que isso remonta lá da época da guerra do Vietnã, que é aqui pertinho - muitos soldados de folga vinham até Pattaya em busca de "diversão", e mesmo depois que a guerra acabou essa cultura permaneceu. E olha, o negócio aqui não é brincadeira não! Dá um Google aí que você vai entender o que eu estou falando... Tem bastante prostituição por aqui. E o mais estranho é que não é uma coisa isolada em determinados pontos da cidade, como acontece no Rio, por exemplo - claro, o ponto alto é a famosa Walking Street, mas é muito fácil encontrar esse tipo de "serviço" em vários outros lugares, como na calçada da praia ou nas inúmeras "casas de massagem" e "bares" espalhados pela cidade. Eu confesso que não sei bem o que pensar sobre o assunto. Acho muito curiosa a naturalidade com que a prostituição é encarada por aqui - de verdade, você não vê as pessoas escandalizadas, como certamente aconteceria no Brasil. A prostituição é tão rotineira na vida da cidade que aparentemente eles nem reparam mais nela... Por outro lado, não posso deixar de ficar ressabiada, porque a vida dessas mulheres provavelmente não é fácil - muitas delas estão nesse ramo por pura falta de opção, e pelo que sei, elas não ficam exatamente ricas com isso... Olhando por esse ângulo, a situação pode ser bem triste. Enfim, esse tema é complexo! Eu, pessoalmente, só fui conhecer a Walking Street poucos dias atrás (calma, calma, eu disse que lá é o point da prostituição da cidade, mas não é só isso que ela oferece: tem bares, restaurantes... Todo mundo que vem a Pattaya visita o lugar, de certa forma é um ponto turístico), e o ambiente é bastante... peculiar. Depois conto mais detalhes em outro post. ;) No mais, se vier a Pattaya algum dia, fique esperto: porque você vai achar vários lugares (e pessoas) anunciando Thai masssage!, mas em muitos deles (não todos, claro) não é exatamente uma "massagem" que está sendo negociada, se é que vocês me entendem. :P

O altarzinho que tem na
entrada do prédio onde moro.
- Por outro lado, apesar dessa total naturalidade em relação à prostituição, os tailandeses são bastante religiosos. Eu já comentei que a religião predominante é o budismo, e eles levam essa questão muito a sério. Inclusive, quando cheguei em Bangcoc havia nos guichês da imigração cartazes falando sobre esse tema, avisando que desrespeito ao budismo e à imagem de Buda é considerado crime por aqui, por exemplo. E uma coisa que sempre me intrigou desde que cheguei, e que só fui entender depois de algum tempo, é o seguinte: na frente de praticamente todos os prédios e construções a gente encontra uma espécie de altar, com uma ou mais imagens, e as pessoas sempre colocam oferendas nesses altares. Já vi frutas, bebidas, flores... Eu não sei bem como funciona, e é difícil entender tudo certinho por conta da barreira do idioma, porém me explicaram que esses altares vêm da crença de que todos os lugares são habitados por diversos espíritos, e quando você constrói alguma coisa, você precisa fazer um altar para esses espíritos irem "morar", se não eles ficam dentro do lugar que foi construído, habitando junto com as pessoas que lá estiverem. É mole? E pelo jeito, as oferendas fazem parte desse costume. Também não é muito raro ver gente fazendo preces junto a esses altares... Achei esse costume interessantíssimo além de um ótimo tema para um filme de terror.

Essa série de posts sobre aleatoriedades da Tailândia está rendendo! :D

Depois volto... ;)

Beijos!

PS: Ok, eu preciso comentar que, se vocês repararem, um dos itens da foto que ilustra as escritas diferentes é, aparentemente, uma máscara facial feita de lesma, ou gosma de lesma, ou algo assim, não entendi bem. Mas a questão é: LESMA. Na sua CARA. Deus me livre e guarde! :S Dessa mesma linha também tinha uma máscara feita de placenta - eu disse PLACENTA! Sul-coreanos, meus queridos, COMO ASSIM? #blergh

6 comentários:

  1. Tô imaginando o Felipe procurando massagem na Tailândia rsrsrs
    Tô adorando os posts sobre a Tailândia. Ótimo saber que é daí que vem os gatos. Agora, e os irmãos siameses? É por causa da mesma coisa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha.... xD Tem mt lugar q realmente é massagem de verdade. Eles têm cultura de massagem aqui, tem trocentos tipos diferentes, e tem uma casa de massagem em cada esquina, juro..! Mas tem algumas que é só fachada pra outro tipo de, hã, terapia corporal rs. Mas não costuma ser muito difícil de diferenciar uma ou outra. As casas do segundo tipo não dão nome aos bois, mas dá pra identificar pelo letreiro (às vezes têm umas ilustrações bem sugestivas, haha), pelo ambiente, e pelo jeito das profissionais :P

      É mesmo! Eu tb já tinha pensado nesse negócio dos irmãos siameses, mas esqueci de pesquisar na ocasião. Fica difícil confirmar com alguém daqui pq não entendo bulhufas do idioma, mas na wikipedia tem uma explicação que parece verídica: https://pt.wikipedia.org/wiki/Chang_e_Eng_Bunker

      Bjsss!

      Excluir
  2. Gostei da curiosidade sobre os gatos siameses.

    Vc falando de pessoas de diferentes nacionalidades na rua, fico imaginando uma pessoa tentando encontrar uma estação de rádio e por cada um que passa é uma voz de um país diferente rs

    Fico imaginando como ficam seus sonhos. Eu iria dormir e sonhar com cada coisa, porque vivenciado tantas coisas diferentes todos os dias, a cabeça meio que não tem tempo de processar de dia, e vai fazer isso de noite rs.

    Vc falando do budismo, lembrei de Sense8, da Kala :)

    Obrigada pelo post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha... Na verdade, eu dificilmente sonho, ou melhor, lembro dos meus sonhos, então acaba que nem acontece esse tipo de coisa. ;)

      Sense8 é uma série né? Nunca assisti, mas já ouvi falar ;)

      Bjs!

      Excluir
  3. Faz mais calor que no Rio no verão?
    Acho que eu ia ficar louca nessas lojas sem entender nada do que estava comprando, rs.
    E essa sua cidade tem um histórico pesado hein?
    Acabei de ver no insta da Thais Fersoza que ela tava aí há umas semanas atrás. Que praia! Por aí perto tem mar? Sei que vc não é mto chegada, mas fiquei maravilhada com aquele mar.
    Bjins

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse momento que eu tô aqui, tá similar ao do RJ no verão. Mas uma galera que tá aqui há mais tempo diz que já pegaram coisa bem mais intensa, rs. Essa época agora não é a mais quente do ano aqui, não.

      Nem me fale! E tem coisas que a gente simplesmente não acha por aqui. Tenso.

      Tem sim...! Já escrevi o post sobre a Walking Street, vou colocar no ar na semana que vem.

      Tem praia perto sim! ;) Inclusive, essa primeira foto do post tirei de uma janela aqui de casa... a vista é linda! <3 Um dos fortes da cidade, pros turistas, tb são as praias... e aqui é tipo uma baía, então a água é calma, quase sem ondas, e quem já foi disse que é a água é quentinha. Eu ainda devo ir algumas ilhas, tem uma ilha mais linda e paradisíaca que a outra, rs.

      Excluir

• Os comentários serão respondidos aqui mesmo, no blog.
• Comentários que eu considerar ofensivos não serão aceitos.
• Comentários de propaganda não serão aceitos.
• Caso queira falar comigo sobre algum assunto específico, deixe seu e-mail em um comentário (que não será publicado), que eu entro em contato.

Obrigada pela visita, e volte sempre!

Fernanda.